NEM PARECE CRISTÃO​

Muitas vezes, enquanto jovens que enfrentam todos os desafios de uma fase de transição, de uma fase de afirmação e também de muitas experiências e vivências, deparamo-nos com algumas questões em relação ao que pode ou não ser permitido ou lícito dentro de um modo de vida cristão. Na verdade, perdemos por vezes demasiado tempo nestes dilemas a tentar entender: Posso fazer isto? Posso fazer aquilo? Posso usar isto? Posso sair à noite? Posso beber álcool? Posso usar maquilhagem? Fazer tatuagens? A resposta nem sempre é direta porque, na verdade, Deus dá-te essa liberdade de poderes escolher a conduta e atitude que quiseres, de poderes ter os comportamentos que são decididos por ti. A vida cristã não é um conjunto de regras que facilitam ou delimitam as tuas escolhas, nem Deus te proíbe ou te impõe sequer que o sigas ou que tenhas uma vida de acordo com aquilo que Ele ensina. Claro que todas as questões se podem colocar a determinado momento e claro que a Bíblia nos ensina a decidir mas é importante que acima de tudo tenhamos sempre presente que o que a Bíblia de verdade nos ensina não é um conjunto de regras ou proibições mas é antes o amor a Deus e à Sua Palavra e é isso que a todo o tempo deve estar no teu coração para que sempre tenhas o fogo, o desejo de ter uma conduta que em tudo seja motivo de orgulho para Aquele a quem mais amas, para Aquele a quem queres seguir.

O que verdadeiramente orgulha a Deus, aquilo que faz de nós Cristãos e discípulos de Jesus não é tanto o nosso exterior, a forma como nos apresentamos ou a forma como nos enquadramos num determinado estereótipo mas sim o nosso interior, o que demonstramos nas nossas atitudes, no amor que demonstramos aos outros. Se pensarmos naquilo que nos ensina a Bíblia sobre a vida de Jesus, pouco ou nada sabemos sobre o seu aspeto, sobre o seu exterior mas sabemos acima de tudo acerca do seu interior, acerca do que fez, do que era e não do que aparentava ser. Isto quer dizer que enquanto jovem não posso sequer preocupar-me com a minha aparência ou tentar procurar na Bíblia orientações em relação aos meus comportamentos?? Claro que não! Significa sim que a nossa atenção deve estar mais centrada no que fazemos, na forma como nos relacionamos com os que nos rodeiam, naquilo que as nossas atitudes e gestos demonstram enquanto jovens crentes, mais do que com o que as pessoas vêem no nosso aspeto ou se nos inserimos ou não em determinados modelos. Por isso é que muitas vezes tentas buscar resposta a estas questões e queres uma resposta de SIM/NÃO mas na verdade, tudo depende do teu amor a Deus. E isso não se expressa tanto no que vestes, no que usas e no que pareces. Na Bíblia vemos que Samuel é advertido:

“Mas o Senhor avisou-o: «Não julgues pela sua aparência e pela sua estatura elevada, porque não foi esse que eu escolhi. Eu não julgo pelas aparências como vós julgais. Julgo pelo coração” (I Samuel 16:7)

Então o que podemos pensar no que diz respeito a certas práticas que podem alterar a nossa aparência como sejam tatuagens, piercings, e mesmo o uso de maquilhagem, certos estilos de vestuário que escolhemos? Será que devemos encarar essas práticas como pecado ou como não sendo apropriadas para jovens cristãos?

De facto, e mais especificamente em relação às tatuagens podemos ver uma indicação na Bíblia que parece fazer uma advertência nesse sentido:

“Não cortem em redondo as pontas do cabelo nem rapem os cantos da barba. Não façam cortes nem tatuagens na vossa pele em lembrança dum defunto. Eu sou o Senhor!”(Levítico 19:27-28)

Mas devemos entender o contexto a que se refere e aqui é feita uma advertência sim mas em relação às práticas de idolatria dos povos pagãos, ou seja, refere-se a marcar a pele ou tatuar como uma forma de idolatria e claro, sabemos que essa é uma prática que não está de acordo com o que Deus nos ensina. Então o que é importante entender? Acima de tudo, em tudo o que fizermos, devemos ter a sabedoria de entender a finalidade, o significado das nossas práticas em tudo e também em relação ao nosso aspeto e ao nosso corpo. Devemos sim honrar a Deus em tudo, devemos seguir os seus mandamentos e devemos também respeitar o nosso corpo porque isso também é o que Deus nos ensina. Tudo aquilo que fazemos, seja uma tatuagem, seja o uso de maquilhagem, a forma como nos vestimos, em tudo isso devemos ponderar sempre o que estamos a colocar em primeiro lugar quando o fazemos, qual é o nosso objetivo. E o que te digo é:

Se procuras buscar afirmação nessa prática, NÃO O FAÇAS

Se procuras chocar os outros e demonstrar irreverência, NÃO O FAÇAS

Se o fazes para te inserires nos modelos ou nos grupos que o mundo te impõe, NÃO O FAÇAS

Se o fazes porque sentes que a tua imagem não é suficiente ou porque estás a colocar a vaidade como um ídolo na tua vida, NÃO O FAÇAS

Se o fazes escandalizando ou entristecendo os teus pais, a tua família NÃO O FAÇAS

Se o fazes porque deixaste que este tipo de práticas te domine e seja um modo de vida, se coloquem como prioridade, NÃO O FAÇAS

Em tudo busca entender porque queres ter determinada atitude, qual é o propósito e claro, tem a sabedoria de entender se estás a glorificar a Deus ou se estás a colocar algo acima do teu amor a Ele. Mas se conseguires ter este discernimento não deves achar que qualquer uma destas práticas é incompatível com um modo de vida Cristão. Sabemos claro que hoje em dia o facto de algumas pessoas usarem tatuagens, brincos, piercings, maquilhagem, buscarem ter uma determinada aparência está frequentemente relacionado com motivos estéticos, meramente decorativos e não tanto por idolatria ou mesmo motivos religiosos ou espirituais.

Num momento em que tudo no mundo leva a que as pessoas façam ou sigam aquilo que é a moda, ou aquilo que o coração manda, sê diferente e busca as respostas mais na sabedoria de Deus e não deixes que se crie uma barreira de proibições ou imposições. Não deixes também que esta barreira afaste de Deus os que se integram no grupo de pessoas que aderiram a estas práticas. Porque sabemos que, nomeadamente em relação às tatuagens, esta é uma prática que se tem tornado muito frequente e precisamos também estar preparados para receber estas pessoas sem criar estereótipos ou preconceitos mas sim com o amor de Deus, porque Deus também quer chegar a estas pessoas que devemos olhar como Deus olha.

 

Não há uma “aparência” de Cristão, não há “aspeto” que determine o teu amor a Deus, a tua dedicação à tua chamada, o quanto segues e serves a Deus com a tua vida. Acima de tudo, busca a Sua sabedoria e busca que tudo o que faças seja pra Ele e que essa seja a tua prioridade (Colossenses 3:23)

PODES VER OUTROS ESTUDOS AQUI

Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Partilhar...